GARTIC.IO

Mais rápido, ágil e sem necessidade de cadastro para criar salas e temas.

JOGAR
GARTIC.TV

Mural Livre de Dandara2019

Desde: 04/02/2019
Nick:
dandara2019 (desativado)
Recados
Nível: Profissional
Sala Principal: Animais
Conquistas: Sem conquistas

Palafraseando

Palafraseando
Embed:
Link:
Estado:
Finalizado
Visualizações:
110
Favoritos:
1
Desenhado em:
30/01/2020
1 votos
O livro trata do amor incondicional de uma filha por sua mãe imperfeita. A autora transborda originalidade ao falar sobre o amor de uma filha pela sua mãe e o q a ansiedade é capaz de fazer quando agarra profundamente alguém.

Comentários

2 comentaram:
CzarBrasileiro
CzarBrasileiro

30/01/20 às 13:14:44

Amor, você é simplesmente a pessoa mais inteligente que conheço, de um nível de conhecimento estrondoso, que sabe escrever como ninguém. Tenho muito orgulho de te ter do meu lado. Te amo demais. Vinícius.
dandara2019
dandara2019

30/01/20 às 09:50:27

Cade você, Bernadette? não foi nada do que eu esperava em muitos sentidos. O livro foi lançado há alguns anos, durante o auge dos vídeos no You tube sobre livros, no momento em que eles estavam se consolidando. E lembro que absolutamente todos os booktubers estavam o resenhando e sendo unânimes sobre ele ser super engraçado. Eu não vi em momento algum essa graça: ele é leve e tem algumas situações cômicas, mas isso não necessariamente faz gargalhar. O título também engana porque passa a ideia de que a história será em torno da procura por uma pessoa. O que não é real, já que apenas depois de mais da metade do livro a pergunta do título se torna necessária. A história é sobre Bernadette, uma arquiteta considerada um gênio que mora em Seattle com a filha e o marido workaholic que trabalha na Microsoft. Ambos são muito bem sucedidos em suas profissões, ou Bernadette era pois ela, misteriosamente, para de trabalhar. A filha Bee, estuda em uma escola particular de classe alta e também é super inteligente. Parece uma vida perfeita, mas não é assim para Bernadette que nunca se adaptou à Seattle e ao modo de vida de ser apenas uma mãe de classe média. O apenas usado não significa menosprezo ao se fazer mãe, mas que ela não fica satisfeita tendo apenas essa identidade. Ser mãe poderia ser uma somatório para quem Bernadette era e uma definição. Ela é perpetuamente hostilizada pela vizinhança por não participar dos eventos sociais da comunidade e da escola, mas não liga para isso e não tenta se moldar ao que seria desejado dela. Assim, a imagem que a vizinhança tem é de uma pessoa arrogante e que se considera melhor do que as pessoas da pequena Seattle. Quando a filha Bee cobra dos pais uma viagem à Antartida que eles prometeram casa ela fosse bem na escola, eles se veem sem ter como negar e o estresse para a viagem é o motor de toda a mudança que acontece na vida de Bernadette e o motor da história. Eu poderia dizer que é o gatilho de estresse dela, mas isso seria entrar na linguagem de doença e disturbio mental do discurso que o livro/filme foi vendido. O mesmo discurso usado pelo marido dela e o mesmo discurso facilmente usado hoje para qualquer sentimento ou comportamento um pouquinho fora do padrão, que não entendemos ou que não gostamos, tanto em nós quanto nos outros. Bem, essa é o mote de Cade você, Bernadette?: uma mulher que trabalhava criando coisas, que se muda para uma cidade pequena e não se adapta ao roteiro da vida que ela deveria desempenhar. E aqui não nenhum tom de autocomiseração ou ressentimento, porque Bernadette não é uma pessoa amargurada ou que tenta fazer qualquer coisa para caber ali. Ela segue sendo ela mesma e segue vivendo. O grande problema acontece porque as pessoas em seu entorno não querem que ela seja ela, mas que se adeque: a vizinha quer que ela participe e dê atenção às suas reclamações e o marido quer que ela não externalize nenhum problema que venha chamar atenção. E, se ela não se adapta, é porque há algo errado com ela. E essa foi a perspectiva de venda do livro e filme: uma pessoa que tem agorafobia e transtorno de ansiedade com problemas de adaptação (sendo que Bernadette e a filha são as únicas pessoas razoáveis e estáveis, tanto no livro quanto no filme). A grande virada na vida de Bernadette foi o nascimento de sua filha, que foi um bebê planejado e nasceu após uma série de abortos espontâneos. Agora, vem spoiler. Bee nasceu prematura e com um problema no coração. Com isso, Bernadette fez a promessa que se sua filha sobrevivesse, nunca mais trabalharia. Para ela, isso era o maior sacrifício de sua vida, pois seu trabalho não era apenas sua renda, mas seu jeito de viver, seu modo de se expressar e a base formadora de sua identidade. É a partir dai que se desenrolou os problemas de Bernadette que culminaram nos eventos do livro. Por ela parar de trabalhar, teve que passar a viver uma vida incompleta e tentando ser alguém que ela não era, ela perdeu sua identidade. Isso é bem sintomático para o nosso contexto social atual: transformamos em diagnóstico mental o conjunto de comportamentos resultantes de algum conflito interno que não conseguimos lidar ou resolver. Vivemos em uma geração que trata superficialmente os sentimentos e atitudes (e isso fica muito claro na intervenção que a personagem sofre que conta inclusive com a participação de uma psicóloga que narra, em detalhes, todos os últimos acontecimentos mas que, sem o contexto, perdem totalmente o seu significado real) e tenta desesperadamente colocá-los dentro de caixinhas com rótulo de algum distúrbio ou problema mental. Não que eles não existam, mas o livro e filme foram vendidos como tendo uma personagem com distúrbios mentais e problemas sociais e ele mesmo mostra que ela não tem. Serve então, no mínimo, para refletir essa patologização da vida. (Um ps: não saber ou conseguir lidar ou resolver um conflito não é um erro, não é incapacidade de qualquer tipo, é só parte do processo. Só destacando para não parecer que isso é algo negativo ou alguma espécie de crítica. Até porque senta lá, e me escuta, para eu dar minha listinha de conflitos internos que não consigo resolver, mas na verdade NEM TENHO QUE, né?) - Dandara -
  1   

Jogar

Padrão
Criadas
Carregando...
foto
Carregando foto...
Carregando....
Info Sala
Nome:
Criador:
Temas:
Dificuldade:
Meta de Pontos: pontos
Tempo para Desenhar: segundos
Tempo de Intervalo: segundos
Ferramentas:
Disponibilidade:
Senha:
Jogadores:
Link:
Animação no Gartic Phone

Conheça as novas ferramentas de animação do Gartic Phone!

@Gartic

NEW GAME! | Gartic Show!

Lançado: Gartic Phone

04 de Outubro

Baseado na brincadeira popular do "telefone sem fio", aliado às mecânicas de desenho do Gartic, nós da equipe lançamos um novo jogo: Gartic Phone. Este jogo é ideal para se jogar entre amigos, preferencialmente utilizando um app de chamada de voz em simultâneo (Ex: discord, zoom, skype, etc). Sua mecânica se baseia em turnos alternados onde todos os participantes ora devem desenhar à uma frase recebida anonimamente, ou ora devem descrever à um desenho recebido. Ao final de todas as rodadas, são exibidos álbuns contendo toda a linha do tempo com a evolução das descrições e dos desenhos. Conheça o jogo! https://garticphone.com ...

veja mais

Jogue também

Desenvolvido por:
Tecnologia: